10 Junho - Só podia estar escrito no Observador! (Imprensa verdadeiramente livre)

Ir em baixo

10 Junho - Só podia estar escrito no Observador! (Imprensa verdadeiramente livre) Empty 10 Junho - Só podia estar escrito no Observador! (Imprensa verdadeiramente livre)

Mensagem por Mário Machado em Sex Jun 14, 2019 9:47 am

10 DE JUNHO
João Miguel Tavares e os snobes do 10 de junho
Luís Rosa

Escolhido por ser natural do local das comemorações, JMT foi criticado por falta de "densidade"- uma acusação delirante vinda de quem andou a lamber as botas do provinciano José Sócrates durante anos.

1. Parece que a esquerda bem-pensante, a dos salões e do champagne, e a extrema-esquerda, a soviética do Gulag e a do caviar do Lux, ficou muito incomodada com o convite que o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa dirigiu ao jornalista João Miguel Tavares (JMT) para liderar as próximas comemorações do 10 de junho. A acreditar no musicólogo Rui Vieira Nery, no embaixador Seixas da Costa, na pianista Gabriela Canavilhas, no comunista Vítor Dias e no bloquista José Manuel Pureza, Marcelo praticou vários ‘crimes’ de gosto e de bom tom. A saber:


Tavares não é académico nem tem uma profissão de bem: médico, advogado, engenheiro, arquiteto ou qualquer profissão que deixe orgulhosa qualquer família educada durante o Estado Novo;
Tavares é uma espécie de iletrado sem “obra” — deduzo que seja académica mas também pode ser musical, literária, teatral ou cinematográfica. Tavares ‘só’ é um colunista e, cúmulo dos cúmulos, aparece na televisão como a Cristina Ferreira;
Tavares não tem “trajeto intelectual”. Ou seja, não pensa por aí além e não escreve de forma hermética, fechada e codificada para que os amigos de Nery, Seixas da Costa e Canavilhas se deliciem com os signos semióticos que só eles sabem interpretar.
Confesso-vos que concordo com aqueles camaradas: Tavares não presta! E Marcelo, que até sabe falar francês quando condecora um político europeu, também não!

Mas há só dois problemas na argumentação que tão nobres figuras da sociedade portuguesa apresentaram nesta peça do Público:

JMT foi convidado por ser natural de Portalegre — terra onde uma parte das comemorações do 10 de Junho decorrerão por decisão de Marcelo Rebelo de Sousa;
JMT foi igualmente convidado por ser jornalista. Ou seja, Marcelo quer dar destaque institucional à comunicação social por entender, como já disse várias vezes, que é fundamental para o sistema democrático que os media vençam a crise económica e financeira em que estão mergulhados desde há mais de 10 anos.
Apesar de serem estas as razões que levaram o Presidente a convidar o malandro do JMT, não foram nelas que a nossa esquerda bem-pensante se concentrou. Teria sido difícil, aliás, a não ser que Portalegre fosse uma espécie de Silicon Valley do jornalismo que tivesse criado a Monocle, alimentado o New York Times e revolucionado o The Guardian — publicações suficientemente progressistas para os nossos ‘camarados’.

Assim, tiveram de atacar a suposta falta de curriculum, de obra e, imagine-se, de “densidade” — uma acusação delirante vinda de quem andou a lamber as botas ao provinciano José Sócrates durante muitos e longos anos.

2. Na realidade, o que estes ataques estapafúrdios demonstram são características compreensivelmente humanas mas igualmente básicas:

O snobismo puro e duro. Uma espécie de sentimento de casta que entende que a representação do Estado (e respetivas cerimónias, como as do 10 de junho) não está aberta a “qualquer um”. É um sentimento antigo que já se tinha manifestado quando um determinado cidadão de Boliqueime chegou a primeiro-ministro e a Chefe de Estado ou um político com direito a morar na residência oficial de São Bento não desistiu do seu apartamento em Massamá;
A arrogância social e cultural. Como se os representantes permanentes ou ocasionais do Estado fossem apenas escolhidos a partir do grupo de amigos lá de casa, cujas famílias pertencem ao mesmo grupo social, circulam pelos salões das receções diplomáticas ou pertencem à mesma fação da universidade. Estes, sim, é que têm “densidade.” Estranhos republicanos estes.
E o espírito sectarista dos ‘democratas’. Neste grupo trata-se mesmo de sectarismo puro e duro, próprio de comunistas e bloquistas. Estes sempre foram os ‘democratas’ — mesmo quando prometiam ditaduras totalitárias e sanguinárias sob a forma de “amanhãs que cantam.” Para estes, só os seus camaradas é que são dignos representantes do povo.
Esta gente não gosta de pessoas independentes. Seja por não pertencerem a um dos partido políticos de referência ou por nunca terem andado na Maçonaria ou no Opus Dei, seja até mesmo porque simplesmente nunca se cruzaram com eles no cinema, no teatro ou na galeria de arte. É uma espécie de medo do estranho, do desconhecido. E um grande preconceito ideológico.

3. É que uma coisa é o povo ter direito a um elevador social que lhe dê mais euros ao final do mês para pagar as contas via MB Way. Outra coisa completamente diferente é um ‘rapaz de Portalegre’, e ainda por cima um jornalista e logo de direita, liderar as cerimónias do 10 de Junho. Calma lá! — que a democracia não foi feita para todos mas sim para “os nossos”, os que estão do lado esquerdo, e certo!, do campo.

Para esta gente, República que é República só existe enquanto a esquerda mandar na mente, no coração e na cultura do país e a direita tiver juízo para ficar caladinha perante o Portugal de Abril — e manter-se refugiada sob o manto falso da social-democracia e do Centro Democrático Social.

Para esta gente tão democrata, mas tão herdeira do espírito salazarento do ‘manda quem pode, obedece quem tem juízo’, a democracia só é democracia enquanto a direita continuar a pedir licença para dar o seu contributo ao país, ocupada que está em lidar com o sentimento de culpa da Ditadura.

Mais de 40 anos após o 25 de abril, a balança do sistema democrático continua desequilibrada para a esquerda. Seja nas universidades, na comunicação social ou nas diferentes áreas culturais, continua a existir uma grande falta de pluralismo na sociedade portuguesa. Muito por culpa da benevolência que é concedida ao pensamento sectário do PCP e do Bloco de Esquerda, mas também muito por culpa da elite do PS que se julga dona do país e do regime.

Memorizem esta palavra: pluralismo.

É o que mais falta faz ao nosso regime para ser, de facto, uma democracia em que as diferentes correntes de ideias têm o mesmo respeito, em que as pessoas são avaliadas pelo seu mérito independentemente do seu posicionamento ideológico e em que ninguém está ‘do lado certo’ como se fosse portador duma superioridade moral, social e política.

É por esse plurarismo que devemos continuar a lutar.
Mário Machado
Mário Machado
Admin

Mensagens : 1742
Pontos : 3008
Reputação : 307
Data de inscrição : 12/01/2019
Idade : 43
Localização : Cascais

http://www.novaordemsocial.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum